Atitude & Saúde

O frio e as viroses: devemos nos proteger do frio para não contrairmos COVID-19?

Crédito: Pixabay

As viroses, como a COVID-19 e a Influenza, aparecem com certa frequência e se evidenciam na estação mais fria do ano. Por este aspecto, tendemos a associar o frio à contração destas doenças. Mas isso procede?

Como fisiologista, não vou me atrever a falar destas doenças, quero abordar, dentro da Fisiologia, como o corpo se comporta, de imediato, quando exposto a um ambiente frio, e como o corpo se adapta, quando a pessoa permanece alguns dias em local frio.

Verdade é que o homem é o animal que mais se adapta. Ele tem a capacidade de viver em ambientes muito frios, como nas calotas polares, bem como em lugares muito quentes como nos desertos, desde que tome as medidas necessárias.

Como o corpo regula a temperatura interna e da pele

O corpo humano tem sensores de temperatura na pele, de modo que quando estimulados, sinais são levados ao cérebro, onde é criada a sensação de desconforto, com o objetivo de evitar que o corpo se esfrie ou aqueça em excesso.

Uma pequena estrutura no cérebro chamado hipotálamo, de uma maneira muito eficiente, mantém a temperatura interna perto de 36o Celsius (C). Quando a temperatura interna, e consequentemente a do sangue que “banha” o hipotálamo baixa deste valor, vasos de sangue da pele são contraídos, fazendo com que o calor seja preservado no centro do corpo.

Respostas do corpo x temperatura

A temperatura da pele, que se mantem por volta de 33 o C, está bem ligada ao conforto térmico ou a sentir frio ou calor.Por exemplo, ao entrar na piscina com temperatura de 28o C, há um desconforto que logo se dissipa.

A pele esfria pela exposição ao ambiente frio e também pela menor circulação do sangue. Pés, mãos, nariz e orelhas ficam bem frios por serem extremidades. É fácil se lembrar do cônjuge que em noite fria nos encosta o pé sem meia, causando um grande desconforto.

Já o frio mais intenso resulta em tremores, que são contrações musculares desencadeados pelo hipotálamo, com o objetivo de produzir calor.

Da mesma forma que há uma adaptação ao frio ao entrar na piscina, humanos se adaptam ao viverem em ambientes mais frios, desde que respeitados os limites do organismo.

Uma pessoa colocada em ambiente muito frio vai morrer. Moradores de rua de todo mundo em situação de frio repentino, como nas frentes frias, morrerão.

Adpatando às estações do ano

Desta forma, no meu entender, é desejável termos uma adaptação à estação do ano que estamos vivendo, o que não é difícil em um país tropical.

No entanto, podemos observar um paradoxo: no inverno queremos estar em ambientes quentes e sentir calor e no verão queremos estar em ambientes frios.

Por que não curtir o frio na estação fria? Pessoas buscam logo um casaco quando a temperatura chega a 21o C, quando poderiam se expor ao frio, adaptar-se a ele e sentir a temperatura confortável a 17o C.

E então, o frio adoece?

A justificativa do senso comum é que o frio adoece, mas isso é um mito.

Na verdade, é a não adaptação ao frio que nos debilita. A virose é causada por um vírus, simples assim. Se não há vírus, não há doença. No frio ou no calor eles existem e são transmitidos.

O que ocorre, é que a estação fria tende a nos aproximar mais e em locais mais fechados, o que facilita a transmissão dos vírus.

No entanto, o frio em si não causa a doença, isso não passa de um mito.

João Carlos Dias – PhD em Fisiologia do Exercício

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários