Atitude & Saúde

A saúde bucal do portador de Esclerose Múltipla

Fonte: Pixabay

A esclerose múltipla é doença crônica, de caráter inflamatório e degenerativo, que acomete preferencialmente adultos jovens. Seus indicadores vêm aumentando de forma significativa nas estatísticas da população brasileira. Para o paciente portador da esclerose múltipla, é fundamental ter sua saúde assistida integralmente.

A saúde e o bem-estar desses pacientes podem sofrer forte impacto pela doença e também pelos efeitos colaterais de medicamentos, afetando diretamente na qualidade de vida dos pacientes. O conceito de qualidade de vida refere-se a indicadores objetivos e subjetivos de felicidade e de satisfação. Segundo a Organização Mundial de Saúde, a qualidade de vida é definida como “a percepção do indivíduo de sua posição na vida, no contexto cultural e no sistema de valores em que ele vive e em relação a seus objetivos, expectativas, preocupações e desejos.

O que é Esclerose Múltipla?

A esclerose múltipla é uma inflamação do Sistema Nervoso Central, caracterizada por repetidos episódios de destruição da mielina (parte integrante de um neurônio), o que, consequentemente, determina vários tipos de perdas neurológicas que se refletem em incapacidades físicas.

Efeitos na Saúde Bucal

Sabe-se que a doença é uma condição que pode levar ao aparecimento de sintomas diversos. Alguns deles, inicialmente, manifestam-se no complexo orofacial, como parestesias de lábios, dormências, neuralgia de trigêmeo entre outras.

É possível que alguns casos apresentem dificuldade na realização de higienização adequada pela limitação motora. Além disso, as drogas que podem ser usadas no tratamento da doença, podem pertencer a diversas categorias, como imunossupressores, antidepressivos, anticonvulsivantes e relaxantes musculares, substâncias que provocam alterações no paladar e na taxa de produção ou secreção de saliva (xerostomia).

O que fazer?

Na prevenção das complicações causadas pela xerostomia, é importante realizar consultas frequentes ao dentista para que possa ser realizado o diagnóstico precoce de possíveis complicações e que intervenções planejadas sejam executadas.

Devem ser realizados exames auxiliares de diagnóstico como radiografias tipo bitewings e panorâmicas. Utilização de uma saliva artificial, aplicação de flúor trimestralmente, controle de placa bacteriana com profilaxias frequentes no consultório odontológico, aplicação de toxina botulínica em pacientes com cefaléia associada a Disfunção da ATM e laserterapia de baixa intensidade para parestesia/reparação tecidual e dormências labiais, são alternativas de tratamentos complementares para melhorar a qualidade de vida destes pacientes.

Por isso, é fundamental o paciente e o familiar responsável terem acesso as essas informações, procurando um profissional com expertise no assunto para orientar e esclarecer dúvidas ou questionamentos.

A esclerose múltipla é doença crônica que pode causar repercussões importantes na vida dos pacientes e a importância do acompanhamento do Cirurgião-Dentista junto à equipe multiprofissional é de grande relevância e contribuição para o conforto e controle do quadro de saúde geral do portador desta patologia.

Cristiano Trindade – Dentista

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.