Atitude & Saúde

Trabalho Remoto: A necessidade de novas adaptações conciliando saúde mental e produtividade

Fonte: Pixabay

Estamos vivenciando um momento inédito em nosso planeta, com o aparecimento da pandemia COVID-19. Para o nosso próprio bem, e para o do restante da população, é mais do que necessário o isolamento social, a famosa “quarentena”. Alguns também chamam esse período de “confinamento”, e até de “prisão domiciliar”, criando uma conotação negativa para algo que deve ser tratado com bastante seriedade.

E quarentena também não é sinônimo de férias!

Essa fase de isolamento pode afetar bastante tanto o nosso lado psicológico quanto o lado produtivo. Não devemos interpretar esse período como restrição de liberdade, mas como um momento vivencial diferente, um momento para reavaliar as relações sociais, familiares e buscar o autoconhecimento e desenvolvimento.

São tantas mudanças e informações, que mesmo sendo antenados, nossa mente pode não conseguir se manter 100% sã a tantos estímulos (principalmente negativos).

Precisamos filtrar as notícias que recebemos, checando as fontes (cuidado com as fake news!) e evitando passar muito tempo diante dos intermináveis noticiários.

SAÚDE X TRABALHO REMOTO

Mas, ao mesmo tempo em que nos preocupamos com a saúde de nossos amigos e familiares (sempre haverá alguém no grupo de risco), também nos preocupamos com nossas entregas no trabalho (nossas metas). Isso pode nos gerar um certo desequilíbrio, acarretando stress, ansiedade, tensão, medo, pânico, esgotamento mental, insônia e depressão.

Diante deste novo cenário, diversas organizações passaram a adaptar suas atividades para o trabalho remoto, mais conhecido como home office. Para que essa transformação não seja tão dolorosa, é de suma importância manter a nossa rotina trivial. Ou seja, levantar no mesmo horário de costume, tomar banho, se arrumar (manter a vaidade é essencial, tanto para nossa autoestima quanto para quem convive conosco!), respeitar os horários de alimentação – café da manhã, almoço, lanches e jantar, sem pular refeições. Isso também vale para os horários de trabalho, pausa e descanso – fazer uma boa gestão do tempo. Os novos tempos exigem novas adaptações, combinando a vida pessoal à vida profissional.

Maria Luiza Albuquerque Corrêa – Psicóloga, Mestre em Educação

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.